domingo, 13 de janeiro de 2008

às vezes, rima.

Memória é uma coisinha incrível. Pode ser dispertada com um simples cheiro. E hoje, a minha acordou. Mas a sensação foi ruim. Pensei muito nele. Tanto tempo depois, pensei. E o que mais me deixou triste foi o rancor que senti. Acho que sinto rancor porque me doei por inteira...num lance bem Chico Buarque de romper com o mundo e queimar navios. E assim, fui de corpo e alma em vão. Sou contra a frase é dando que se recebe, mas quando estamos juntinhos do nosso amor, é tão bom dar e receber. Não recebi nada. Durante ano e meio procurei amor em lacunas, em cotoveladas, em palavras não ditas, em poemas corrigidos, em portas fechadas na cara, em chocolates não divididos, em trilhas sozinhas, em banhos gelados. Aí constatei que não existe nada pior do que indiferença. Me bate, me xinga, fecha a porta, vai embora, fica dias sem me procurar, mas não balance os ombros, por favor. Sofri, pois eu queria que tivesse dado certo. Porque eu acreditava no amor. E hoje, é muito ruim sentir que estou colhendo uma tempestade sem fim. Sei que ele não é o culpado. Mas também sei que ele ajudou muito na destruição dos meus castelos. E eu, temperamental que sou, não soube lidar com tamanha decepção.
[ continua, um dia. ]

3 comentários:

Sinto que sei que sou: disse...

Flor
me vi ao ler ess texto tão sincero e honesto...

Seie xatamente o que sente, saber que não deu certo e perceber que não há ningume pra culpar, nem a vc mesma, pois foi tudo tao errado quando parceia que daria certo ....

A memoria nunca esquece nada...fica guardado e as vezesreaparece como se de proposito pra nos machucar

FICA BEM ta?

Bjus
:)

Carol disse...

Ai Lia, nem sei o que te dizer, porque tem coisas na vida que a gente preferia não ter vivido né, mas elas acontecem (infelizmente).
Viva essa dor, mas não a alimente, deixe-a ir.
E acredite: ainda tem muita coisa boa pra te acontecer!
Beijo enorme

Morganna disse...

ai, moça. :~

'aí constatei que não existe nada pior do que indiferença.'
uhn rum.

=**